Sábado
21 de Outubro de 2017 - 

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico

Previsão do tempo

Hoje - Osasco, SP

Máx
30ºC
Min
18ºC
Nublado e Pancadas d

Domingo - Osasco, SP

Máx
21ºC
Min
16ºC
Nublado com Pancadas

Segunda-feira - Osasco...

Máx
17ºC
Min
15ºC
Chuva

Mundo Jurídico

Newsletter

Receba informativos periódicos

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 3,18 3,18
EURO 3,75 3,75
PESO (ARG) 0,18 0,18

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,14% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
Espanha 0% . . . .
França 0,08% . . . .
Japão 0,04% . . . .
NASDAQ 0,36% . . . .
S&P 500 0,51% . . . .

Taxas de homicídio da juventude negra é discutida em Audiência Pública

O aumento de homicídios por questões raciais foi discutido nesta terça-feira (10/10) na Assembleia Legislativa. A audiência pública "Contra o Genocídio da Juventude Negra" foi realizada por iniciativa da Comissão de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana, da Cidadania, da Participação e das Questões Sociais, da deputada Leci Brandão (PCdoB) e de entidades do movimento negro. Leci Brandão des­tacou a importância de trazer esse assunto para o Parlamento. "Muitos não sabem o que é o genocídio, que isso é uma banalização da vida, um extermí­nio de pessoas pela raça", disse. O Atlas da Violência 2017, lançado em junho deste ano pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, analisa a evolução de homicídios no período de 2005 a 2015. De acordo com o estudo, as principais vítimas no país são homens, jovens, negros e de baixa escolaridade. Os jovens do sexo masculino entre 15 e 29 anos correspondem a 47,85% do total de óbitos registrados nesse período. De cada 100 pessoas assas­sinadas no Brasil, 71 são negras. A mortalidade de mulheres não negras (brancas, amarelas e indígenas) caiu 7,4%, enquanto o índice de mulheres negras subiu 22%. Os números mostram que o racismo está vivo na sociedade. A representante da Frente Alternativa Preta Adriana Moreira destacou que as desigualdades no Brasil decorrem de persos fatores. "O Estado omite-se quando não reconhece que o racismo é um fator de construção de desigualdade. Fazendo isso, promove a morte não apenas física, mas psicológica e social da população negra como um todo, em particular das mulheres negras", disse. A representante do movi­mento Convergência Negra Cláudia Adão apontou para uma correlação entre raça, homicídio e pobreza na cidade de São Paulo. "Nas periferias isso se concentra. Não é um fato pontual ou um episódio que só está acontecendo agora, isso é originado na exclusão da população pós-abolição e no processo de segregação", destacou. Adão ressaltou que a discriminação não ficou na história e se atualiza com o enfraquecimento de políticas públicas, a violência policial e a falta de oportunidades na periferia, resultando na morte da população negra. "Uma audiência pública sobre o tema traz visibilidade para a questão e cobra políticas focadas nesses públicos e territórios", afirmou.
11/10/2017 (00:00)
Visitas no site:  92968
© 2017 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia

Contate-nos

Avenida dos Autonomistas  896  Torre 2 - conjunto 810
-  Vila Yara
 -  Osasco / SP
-  CEP: 06194-060
+55 (11) 36835055+55 (11) 41728400
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.